Google Tanslate

Select Language

Sign up and be the first to know

About Hugh Terry & The Digital Insurer

Hugh Terry & The Digital Insurer Video

Contact Us

1 Scotts Road
#24-10 Shaw Centre
Singapore 228208

Write an article

Get in touch with the editor Martin Kornacki

email your ideas at [email protected]

Pre Registration Popup

itcasia2020 Registration Popup

Share Popup

Prime Member: Find out more

Access a unique programme!
  • 56 pre recorded lesson of online content from industry experts over 7 courses
  • The best in digital insurance for practitioners and by practtioners
  • Online MCQ after each lesson
  • Join the discussion forum and make new friends
  • Certificate upon completion to show your expertise and comitment
  • 3 months to complete
  • Normal price US$1,400 Your Prime member price is US$999
  • Access to future versions included in your Prime membership!
Become a member

Prime Member: Contact Us

REach out to us. Please fill up the form below
Let us know how we can help. You can expect a response within 24 hours
Services of interest
Untitled

Arthur D. Little

Arthur D. Little has been at the forefront of innovation since 1886. We are an acknowledged thought leader in linking strategy, innovation and transformation in technology-intensive and converging industries. We enable our clients to build innovation capabilities and transform their organizations. ADL is present in the most important business centers around the world. We are proud to serve most of the Fortune 1000 companies, in addition to other leading firms and public sector organizations. For further information, please visit www.adlittle.com

FINNOVATING

Finnovating is a Matching as a service platform that enables X-Techs from all around the word to connect , collaborate and get the funding they need to grow from investors and corporations globally. The Finnovating platform is a space were the key players of the Tech industry can connect together easily and boost global Tech innovations.

SØNR

Sønr is the world’s most comprehensive source of innovation intelligence. It is a subscription platform used by some of the best known insurance companies globally.

It tracks millions of companies around the world and provides insight on the latest market trends, the startups and scaleups reshaping the industry, and intelligence on how other big insurers are innovating.

Sønr includes a suite of tools designed for teams to better collaborate and connect. From recording meetings to capturing and sharing Notes, to being able to track and share activity across the company using Watchlists and CRM boards.

The platform is backed up by a team of consultants, researchers and analysts who support clients in discovering and creating new business opportunities.

Ageas INsure – Open Innovation. Uma conversa sobre inovação com o Nuno Horta

Ver Índice Newsletter

Vincent Van de Winckel (VVDW): O Grupo Ageas está presente em 14 países, 5 na Europa e 9 na Ásia. Em Portugal está no top 3 dos grupos seguradores. Lançou recentemente o Ageas INsure – Open Innovation, para o qual aceita candidaturas. Quer explicar o lugar que ocupa a inovação no grupo?

Nuno Horta, Head of Innovation, Grupo Ageas Portugal (NH): O Grupo Ageas Portugal sempre apostou na inovação, mesmo antes de haver uma equipa inteiramente dedicada a esse tema. Por exemplo: a formação da Médis, o primeiro seguro de managed care em Portugal, algo que já vinha do tempo da Ocidental.

A criação de uma equipa de inovação só veio apenas reforçar esse facto. Até na própria companhia há várias equipas que, no seu dia a dia, integram a inovação dentro do seu scope, como é o caso de: a Médis Next level, uma equipa focada em trazer inovação à Médis como um todo; o Marketing da Ageas Seguros, as unidades de marketing estratégico e as próprias operações. Aliás, foi o plano de transformação digital da Ageas que permitiu que, no dia 12 de março, quase todos os colaboradores começassem a trabalhar a partir de suas casas sem comprometer o nível de trabalho, e mantendo o business as usual e inclusivamente lançar várias iniciativas “on target” como por exemplo o INsure.

VVDW: A equipa da Inovação existe há quanto tempo?

NH: A equipa foi formada em 2016 e desde então tem crescido e foi aumentando de âmbito. Agora estamos num estado de maturação que nos permite lançar programas como o Ageas INsure. Temos outros como: o Ageas INside, um programa interno, o INcampus com a Universidade Nova e outras iniciativas que estamos a preparar. O estado de maturidade que atingimos permite-nos olhar de outra forma para o mercado envolvente, para o ecossistema português e europeu.

VVDW: O tema da inovação é um tema sem fim que precisa ser alimentado. Como é feito na Ageas e como se mantém esse lado inovador?

NH: A acima de tudo, tem de ter um processo. O nosso trabalho não pode partir do pressuposto que estão quatro cinco ou seis pessoas numa equipa de inovação a ter ideias. Há vários processos postos em curso para que isso seja um ciclo repetitivo e constante.

Os processos estão assentes em metodologias. Ou seja, trazer a parte criativa que as pessoas da inovação e das unidades de negócio, e juntá-las com o rigor que temos por estarmos numa empresa de banca e seguros, juntando o melhor dos dois mundos. Estamos organizados e focados em projectos concretos.

VVDW: E como é que essa inovação é fomentada?

NH: Como temos uma Comissão Executiva e um top management muito virado para a inovação, muitas vezes desafiam-nos com situações concretas. Convocam-nos e dizem, por exemplo: “eu gostava de ter X na companhia  ou eu quero uma coisa Y” e nós temos que ir à procura, fazer o sourcing, fazer pesquisa  e fazer propostas, sempre em conjunto com as restantes área da companhia, visto que a equipa de inovação, deve agir como um facilitador. Trabalhamos em equipa. Ou seja, nunca fazemos nada sozinhos. Trazemos sempre o negócio e aproveitamos os recursos e o know-how interno.

VVDW: A inovação é business driven ou vocês também podem ter a iniciativa?

NH: Uma parte é business driven e vem top down, a outra parte somos nós que propomos. Daí termos estes programas específicos para propor estas inovações mais disruptivas ou mais experimentais. Temos estes programas como o INsure, como o INside, como um programa que temos desenvolvido com a Universidade Nova de Lisboa que já vai na sua terceira edição que é o INcampus; um hackaton cujas ideias vencedoras são depois implementadas em startups. Assim temos também um leque de programas mais experimentais, mais desafiadores que aí vêm gerados de ideias e iniciativas da equipa de inovação.

VVDW: Quais foram as inovações que tiveram maior impacto?

NH: Fizemos agora um sistema inteligência artificial de triagem na Médis; temos ainda um avaliador de sintomas da COVID-19; e o INsure.

A nível interno existe também o INside, que é similar, mas para Colaboradores, em que vamos dar hipótese de lançarem a sua própria startup, a sua unidade de negócio, ou até criarem ideias para o negócio.

VVDW: A Ásia está, em muitos domínios, mais digitalizada do que o velho continente. Verificam-se no grupo transferências de ideias, de know-how ou de tecnologia da Ásia para a Europa?

NH: Não, temos, especialmente com a nossa OPCO da Tailândia, uma relação muito próxima que nos permite um intercâmbio de ideias. Podemos assim pegar em ideias em curso nessa geografia e tentar implementá-las em Portugal com o nosso twist. Cada mercado tem as suas idiossincrasias e eu acho que nós não podemos copiar produtos. Tem sempre de haver uma adaptação à cultura local. Temos assim um projeto em curso focado em wellness e um programa que vêm desse intercambio, e que deverá ser lançado nos próximos meses em Portugal.

VVDW: Voltando ao Ageas INsure. O quê é?

NH: O Ageas INsure é um programa de aceleração com o objetivo de encontrar as melhores startups, de forma a trazerem suas ideias e produtos, para que possam ser integradas na cadeia de valor do Grupo Ageas Portugal. Também queremos através deste programa criar um momento próprio, onde estejam disponíveis as pessoas, os recursos e o tempo necessário para se dedicar a estas empresas, desta forma as startups podem aproveitar os inputs do nosso top management e dos nossos mentores, de forma a desenvolverem os pilotos na companhia, para depois serem escaladas dentro da cadeia de valor Ageas. Trata-se de dar, de forma organizada, a devida atenção e o foco necessário para as startups e a Ageas aproveitarem da melhor forma essa oportunidade de inovação.

VVDW: Como foi montado o programa e qual a mecânica?

NH: Nós criamos este programa do zero e em parceria com a H-Farm, que nos ajudou a desenhar um programa personalizado para nós, de forma a ter o máximo de outputs. Não queremos ficar só com umas startups que montam pilotos e que não materializam os seus projetos. Após o piloto vai haver no ano seguinte uma jornada de integração dentro do Grupo Ageas Portugal, e estamos focados na industrialização dos pilotos.

VVDW: O que motivou que o Ageas INsure tivesse lugar aqui em Portugal?

NH: Fomos nós que tivemos essa ambição, é uma iniciativa totalmente do Grupo Ageas Portugal.

VVDW: É destinado e virado principalmente para o negócio de Portugal?

NH: Obviamente que, como fazemos parte de um grupo económico, o objetivo também será sempre partilhar os outputs com os nossos colegas de outras geografias. Será bom para as startups e será bom para o grupo. Faz parte do no nosso scope uma partilha de pontos com o grupo e saber se eles têm algum interesse em, depois, também receber estas startups.

Foi focado nas necessidades de Portugal. Foram feitos vários workshops estratégicos para definição de oportunidade e para garantir que não há repetição de conceitos e que o negócio quer receber as startups. Só vem reforçar que a inovação na Ageas trabalha para o negócio e é um facilitador.

VVDW: Quais são as expectativas?

NH: Temos a expectativa de trazer 5 a 10 pilotos e de incorporar no negócio o máximo de startups possíveis, com interesse para nós.

VVDW: Isto é a primeira edição. Será para repetir?

NH: Sim. Temos sinalizado que será um programa recorrente. No ano 0 corre-se o programa. No ano 1 implementam-se na cadeia de valor os outputs do programa e depois, no ano 2, repete-se o programa. No ano 3 implementam-se os outputs e sempre assim recorrentemente.

VVDW: Quais os chamarizes para as startups se candidatarem ao vosso programa?

NH: Uma empresa de renome como é o Grupo Ageas Portugal, já por si será um atrativo, o facto de sermos uma empresa multinacional presente em 14 países pode trazer escala também. Ou seja, uma empresa que está nos top 3 nacionais e que está comprometida com a inovação é uma empresa com a qual a maioria das startups pode querer trabalhar. Fazermos parte de um grupo económico e possivelmente podermos facilitar a escala para outras geografias também é um atrativo bastante bom para estas startups.

Saiba mais sobre o Ageas INsure – Open Innovation

Livefest 2019 Register Popup Event

Livefest 2019 Already Registered Popup Event

Livefest 2019 Join Live Logged-in Not Registered

Livefest 2019 Join Live Not Logged-in